26.3.08

Do inédito



"E quando, morto de mesmice, te vier a nostalgia de climas e costumes exóticos, de jornais impressos em misteriosos caracteres, de curiosas beberagens, de roupas de estranho corte e colorido, lembra-te que para alguém nós somos os antípodas: um remoto, inacreditável povo do outro lado do mundo, quase do outro lado da vida - uma gente de se ficar olhando, olhando, pasmado... Nós, os antípodas, somos assim."

Mario Quintana


6 comentários:

Helô disse...

O doce Quintana, aquele que consegue dizer exatamente aquilo que pensamos sobre um assunto qualquer - se ao menos conseguíssemos encontrar as palavras...

Lindo, eterno.

Karen disse...

Helô, nem fale. Meu marido me deu um volume da obras completas dele, estou amando...

miki w. disse...

ai que lindo karen! uma coisa que vai lá no fundo e volta cheio de coloridos, nuances, perfumes!

qd leio autores assim, penso "como sou medíocre" hihihihi. mas não desisto ;-)!

beijinhos e bom finde, miki

Karen disse...

Miki, a gente não pode ficar se comparando com os outros, não faz nada bem!

Mas um dia ainda chegaremos lá! ;)

Beijos!

ZAZÁ LEE disse...

Karen
Não consigo lhe mandar e-mail.
Dou sempre uma passada por aqui, mas normalmente não comento.
Mas este bacalhau me encantou....
Espero que tudo esteja bem aí neste paraíso
A propósito...lindo poema.....

Karen disse...

Zaza, não sei mais o que fazer sobre isso, já validei seu e-mail várias vezes, mas parece que o Uol ignora isso. Passe de vez em quando para me dar um alô, pelo menos os comentários ficam por aqui!
Também sempre faço uma visita ao seu blog! Beijos!