21.3.08

Uma muda de aloe vera



Às vezes eu me surpreendo com a repetição de algumas coisas ao longo de minha vida, uma delas é o fato de sempre encontrar pessoas que gostam de assuntos esotéricos ou extremamente preocupadas em ter um estilo de vida mais espiritualizado e saudável, o que incluiu, também, os hábitos alimentares. Uma de minhas professoras de japonês era assim, ela até escrevia sobre o assunto, dava dicas de quais os alimentos bons para tais órgãos ou determinadas condições físicas, além de ministrar sessões de reiki. Agora encontrei uma professora de italiano que gosta desse mesmo tipo de coisa, ela faz cursos sobre alimentação viva (que é basicamente comer alimentos crus), sobre o preparo de pratos sem glúten, usa óleos essenciais, recita mantras, etc. Semelhantes atraem semelhantes? Não sei se sou alguém assim, talvez já tenha sido mais, alguns anos no curso de filosofia não permitem mais que olhe para as coisas sem um certo ceticismo, mas admiro quem procura trazer equilíbrio e bem estar para sua vida de uma forma ou outra. Sempre simpatizei muito com pessoas assim.

Toda essa volta para dizer que minha professora de italiano me deu uma muda de aloe vera (“made in Italy”) para plantar em casa na última aula, mais pelo lado ornamental do que pelas suas propriedades medicinais, pois ela disse que nunca a usou para esse fim.

Procurei um espaço que não tivesse sido tomado pelo pé de batata-doce que plantei na frente de casa e agora é só esperar que ela floresça daqui a dois anos.
 

13 comentários:

Elvira disse...

Karen,acho que você como eu temos uma paixão-pancada pelas línguas...!!! :-D

No liceu, tirei inglês, alemão e... russo! Tentei aprender italiano, mas descobri que, falando já francês (a minha língua mãe, apesar de não ser a materna), portugês e espanhol, era quase impossível falar mais uma língua latina, pois acabava por me baralhar com toda essa bagunça de línguas parecidas mas afinal diferentes. Isso também aconteceu com uma amiga italiana que fala fluentemente francês e português. Nunca conseguiu aprender correctamente espanhol...!

Como é que a Karen se tem saído com o italiano...?

Relativamente à aloe vera, tenho uma prima convencida que faz bem à tudo: pele, rugas, colesterol, feridas, e até câncer... ;-)

Bem, não me posso pronunciar sobre o assunto...

Beijos.

Ana disse...

Que legal, essa planta lembra minha infancia! hehe!
Tinham varios pes de aloe na casa da minha avo, e la nos chamavamos-a de "babosa"!
Minha mae cortava pedacos da planta, cortava o pedaco ao meio (p/ expor a parte interior) e passava no nosso cabelo! Minha mae passava no cabelo dela, e minha tia (irma mais nova da minha mae) que tinha la seus 16-18 anos quando eu tinha meus 5-6 aninhos tbem pedia p/ minha mae passar a babosa no cabelo dela p/ ficar mais bonito.
Ai ja viu ne, eu entrava na danca, ficava todo mundo com o cabelo meladao! Mas depois q lavava ficava mesmo brilhante viu!
Hoje em dia tem alo em tudo quanto eh produto de cosmetico, ne!?
Depois conte se vc usa-la p/ algo interessante ai!
Beijos!
Ana

Karen disse...

Elvira, línguas é uma paixão mesmo, às vezes o O. pergunta se não vou estudar hebraico ou árabe! Se não fosse a dor de cabeça de ter que aprender outro alfabeto eu até me arriscaria! rs

Estou indo bem no italiano, saber francês ajuda muito, pois a gramática é praticamente a mesma, só as palavras mudam. Nos primeiros dia ainda trocava algumas palavras por palavras em espanhol, que estudei por pouco tempo quando era adolescente, mas não faço mais isso. Acho que o difícil e estudar italiano e espanhol ao mesmo tempo, pois são línguas com palavras muito próximas, principalmente os verbos!

Ana, eu também passava babosa no cabelo! Não tenho certeza sobre se funcionava, sei que fedia muuuuito! Se a planta vingar e ficar grande talvez eu teste outra vez nos cabelos!

Cris disse...

Karen:

Lá em casa tinha um enorme pé de babosa, cultivado com muito carinho pela minha avó. Realmente, era bem fedida aquela "gosma", mas o cabelo ficava bonito. Se não me engano, a "godma" também é boa para a cicatrização.
Boa sorte com a sua mudinha!!

Bjs,

Cris

Faça a Diferença !!! disse...

Karen,

Navegando pela net encontrei o teu blog, chamou bastante minha atenção o texto que você escreveu "Às vezes eu me surpreendo com a repetição de algumas coisas ao longo de minha vida, uma delas é o fato de sempre encontrar pessoas que gostam de assuntos esotéricos ou extremamente preocupadas em ter um estilo de vida mais espiritualizado e saudável, o que incluiu, também, os hábitos alimentares." Também gosto de um estilo de vida espiritualizado e com comida saudável.

Abraços,
Ricardo Sérgio
Faça a Diferença!!!
http://facaadiferenca.blogspot.com

Gi disse...

aflorar o lado espiritual para mim é importantíssmo, tanto como buscar uma alimentação saudável, conviver com a natureza e ter hábitos saudáveis: fisico, mental e religiosamente! acho que é por isso que eu sou vegetariana, faço yoga, cuido do meu jardim, vou pra faculdade de medicina veterinária, adoro cozinhar, respiro ar puro, tenho um altar religioso budista-católico-hindu, canto mantras tibetanos e cânticos umbandistas. e também tenho vontade de faculdade de filosofia! Estou agora com chá de babosa, para a melhora da saúde do avô. Minha família já fez vários usos da planta medicinal.
Adicionei seu blog lá na minha cozinha, o Coffee Coffee, ok?
beijo!

Karen disse...

Cris, agora é esperar que cresça para poder usar! Beijos!

Obrigada pela visita, Sérgio!

Gi, também considere-se adicionada! Eu procuro ter hábitos saudáveis e acredito no "mente sã em corpo são", acho isso importante e acredito que cada um tem sua própria maneira de fazer isso.

Helô disse...

uma mudinha dessas cairia muito bem no meu quintalzinho de ervas em garibaldi:)

beijo.

Karen disse...

Helô, se um dia essa muda der filhotes, posso providenciar um para você! ;)

Helô disse...

yes, please!
by the way, esse teu jardim de folhas de batata doce... o horácio (a iguana do marcelo) faria um estrago que nem te conto...

Karen disse...

Helô, aqui nós também temos um lagarto que vive passeando pelos quintais e sei que come as frutas que caem das árvores, pois já o vi comer acerolas do chão, mas folhas de batata-doce é uma novidade! rs

Neide Rigo disse...

Karen,
sou bastante cética, mas todo bom cozinheiro deveria ter por perto um pé de babosa. O gel é mesmo anestésico e cicatrizante, excelente para queimaduras. Isto é certo. Que inveja deste pé de batata-doce. bj, n

Karen disse...

Neide, eu também sou cética, mas sinto atração por esses assuntos.
Bom saber que a babosa tem propriedades cicatrizantes, eu vivo me queimando! Preciso só esperar que a muda cresça, senão não sobrará nada! rs
Logo, logo, espero colher algumas batatas! O pé está parecendo uma praga!

Beijos!