29.5.09

Macarrão com tiguensai e shimeji

Esta receita eu vi na NHK, a combinação de shimeji, tinguensai e cream cheese é ótima, muito leve. Aliás, descobri a couve tinguensai há pouco tempo (foto abaixo), compro do meu fornecedor de produtos orgânicos. Na verdade de couve ela não tem nada, lembra um pouco a escarola, mas o sabor é bem mais suave e não tem nenhum amargor, usei até para fazer recheio de uma torta com ricota outro dia. Tenho uma nova verdura favorita!
A receita pede spaguetthini, aquele espaguete fininnho, mas na hora de colocar a massa na panela com água fervente, eu me distraí e coloquei o penne integral, na hora em que joguei o macarrão ali dentro eu me dei conta do erro, mas já era tarde...
Recomendo o spaguetthini, fiz com ele na primeira vez e achei que o molho se distribuiu melhor.


Macarrão com tinguensai e shimeji

(Para 1 pessoa gulosa)
100 g de spaghettini
um punhado generoso de tinguensai picada
um punhado de shimeji
80g de cream cheese
1x de leite
1/2 cebola picada
1 fatia bacon picado (não usei)
óleo
sal e pimenta

Refogue o bacon com a cebola em uma panela antiaderente com um pouco de óleo, adicione o cream cheese e o leite e misture bem. Deixe cozinhar em fogo baixo até que o molho se transforme em um creme espesso.
Em outra panela, cozinhe o macarrão em água fervente e, pouco antes que o cozimento termine, adicione a tinguensai picada e o shimeji para dar uma aferventada. Escorra tudo e misture ao molho. Sirva polvilhado com parmesão.





22.5.09

Salada de berinjela e iogurte

Receita do Marmiton, ficou boa, muito fresca e pode ser temperada com outras ervas ou levar cebola, alho, azeitonas...

Fiz metade da receita.

Salade de berinjelas e iogurte

4 berinjelas
1 echalote (cebola pequena)
folhas de hortelã fresca picadas
1 copo de iogurte natural
suco de 1 limão
azeite
sal e pimenta

Corte as berinjelas em cubinhos e cozinhe no vapor até que fiquem macias (eu descasquei e levei ao microondas por alguns minutos).
Depois de esfriar, misture os demais ingredientes e sirva bem fresco.


18.5.09

Massa com molho de tomate e mascarpone

Sobrou mascarpone da receita de tiramisù e ele foi usado em uma receita do Jamie Oliver que encontrei em uma pesquisa na internet. Nada demais, o mascarpone só dá uma certa cremosidade ao molho, aliás, nem sei por que mascarpone é chamado de queijo, não tem gosto de nada, parece um chantilly ligeiramente mais firme.

Massa com molho de tomate e mascarpone

1 lata de tomates pelados desfeitos com um garfo
1 dente de alho (ou mais) picado
1 cebola picada
folhas de manjericão
3 c sopa bem cheias de mascarpone
sal e pimenta
massa de sua preferência

Refogue a cebola e o alho em um pouco óleo. Adicione o tomate e o manjericão. Deixe cozinhar e encorpar, tempere com sal e pimenta e, por fim, adicione o mascarpone. Cozinhe a massa de sua preferência e misture ao molho.

13.5.09

Tiramisù

Há épocas em que O. precisa sempre comer algo doce depois de uma refeição, geralmente depois do jantar, e fica meio descontente quando não recebe sua cota de açúcar diária. Estamos em uma dessas fases e, por isso, tenho procurado fazer alguma sobremesa. Escolhi o tiramisù porque nunca tinha feito o doce antes e porque havia uma receita interessante na última edição da revista Cuisine et vins de France que recebi na semana passada. Minha relação com o tiramisù é um pouco ambígua, gosto muito de comer os pedacinhos de biscoito/pão-de-lo com gostinho de café e um pouco de creme de mascarpone, mas não aguento comer uma porção só de creme de mascarpone, ele pesa no estômago e não me sinto bem (o que é irônico, pois "Tiramisù" em italiano quer dizer literalmente "Eleve-me"), o mesmo acontece com o chantilly, por essa razão, procuro evitar bolos e sobremesas que levem uma porção de chantilly como o floresta negra ou aqueles merengues com camadas de chantilly. Além disso, uma de minhas "encucações" com essa sobremesa, assim como com as mousses, sempre foi o fato de ter que usar gemas de ovos crus, mas depois de refletir longamente, cheguei à conclusão de que estou me privando de fazer doces desse tipo à toa pois: 1. gosto deles, 2. costumo comê-los fora de casa e não acho que os ovos que os restaurantes usam sejam mais frescos do que os que compro ou que a higiene de tais estabelecimentos seja melhor do que a daqui de casa.
Tudo isso dito, fiz a receita e ela muito boa. Esqueci de peneirar as gemas antes de misturá-las ao açúcar, procedimento que parece diminuir o cheiro de ovo dos doces, mas como adicionei uma colher de kahlua (licor de café) ao creme, parece que esse problema foi resolvido. Também adicionei uma dose generosa de kahlua ao café usado para embeber os biscoitos (você pode utilizar conhaque, rum, marsala, fra angelico, amaretto ou outra bebida de sua preferência para dar um "up" no sabor). Usei três ovos e reduzi os demais ingredientes proporcionalmente, só acho que a quantidade de biscoitos pode ser maior, especialmente porque detesto aqueles tiramisùs com um pedacinho de biscoito perdido em um mar de creme. Rendeu um pirex redondo de aproximadamente 24 cm de diâmetro.

Tiramisù

500g de mascarpone
cerca de 24 biscoitos champanhe (usei aqueles cobertos com açúcar fino)
5 ovos frescos
6 c sopa de cacau em pó sem açúcar

2 x de café forte

1 c sopa de extrato de café (não usei)

50g de açúcar

4 c sopa de rum (substituí por kahlua, observações acima)

sal


Separe as gemas das claras. Bata as gemas com o açúcar até obter um creme homogêneo. (Aqui, adicionei um pouco de kahlua). Adicione o mascarpone e bata até que tudo fique bem homogêneo. (Li que é bom deixar o mascarpone fora da geladeira por uma hora antes de usá-lo para que seja mais fácil de usar).
Bata as claras em neve firme com uma pitada de sal e adicione à mistura de mascarpone.
Molhe os biscoitos rapidamente na mistura de café com rum e forre o fundo de um pirex fundo (eu preferi usar um pincel para umedecer os biscoitos para não correr o risco de que eles ficassem ensopados demais). Cubra os biscoitos com metade do creme, polvilhe com cacau em pó com a ajuda de uma peneira e repita o procedimento mais uma vez. Deixe na geladeira por ao menos 12h antes de servir.

7.5.09

Adobo de frango

Adobo é um prato das Filipinas e, segundo li na revista Saveur de onde tirei esta receita, o nome vem do espanhol "adobar" que significa "marinar", mas fora o fato da carne ser cozida com muito vinagre, ele não tem muito em comum com o que conhecemos como "marinada". Uma das características do prato é o fato da carne (pode ser frango, peixe, porco) ou mesmo legumes (quiabo ou berinjela) serem cozidos lentamente em uma mistura de vinagre, louro, alho e às vezes leite de coco e até shoyu (para dar mais cor) e dourados apenas no fim do cozimento. A receita da revista é bem simples e foi passada pela anfitriã da pessoa que escreveu a reportagem sobre a culinária nas Filipinas. A carne fica muito macia, temi que ela ficasse ácida devido a quantidade de vinagre, mas isso não acontece, ela ficou muito saborosa (embora a cozinha tenha ficado com um cheiro bem forte, é bom fechar a porta...). O fundo da panela fica uma redução do caldo de cozimento que pode ser aproveitado para refogar um arroz já pronto, fica muito gostoso.
A Migas também tem uma receita de adobo que foi bastante elogiada.


Adobo de frango

4 sobrecoxas de frango (foi o que usei)
4 coxas de frango
sal
14 dentes de alho picado
1 2/3 x de vinagre de vinho branco (ou maçã, um vinagre mais suave)
2 c chá de grãos de pimenta do reino (não usei pois a carne tinha sido temperada com sal e pimenta no dia anterior)
10 folhas de louro

Tempere o frango com com sal e coloque os pedaços em uma panela antiaderente com o alho, vinagre, pimenta e louro. (A receita diz que você pode cortar os pedados ao meio, mas uma faca de açougueiro não está entre os itens da minha cozinha). Coloque no fogo, espere ferver e abaixe a temperatura. Cozinhe mexendo de vez em quando até que o líquido tenha quase evaporado, cerca de 40 min. (Eu mantive a panela tampada). Aumente a temperatura e espere todos os pedaços dourarem virando-os sempre.


4.5.09

Cookies de aveia e passas

Outra receita que fiz há algum tempo. Vi em um livro de receitas vegetarianas, eles não são crocantes e a aveia lhes dá uma "mastigância" agradável (para quem gosta, claro). Bom para levar para beliscar no trabalho ou durante o dia quando dá uma fominha...

Cookies de aveia e passas

1 x de farinha
1 c chá de fermento em pó
1/2 c chá de bicarbonato de sódio
2 c sopa de manteiga
1/2 x de açúcar mascavo (a receita pede 1 x, mas achei que com 1/2 dá e sobra)
1/4 de x de applesauce (descasquei e fatiei uma maçã pequena, levei ao microondas por alguns minuto para cozinhar, fiz um purê com o mixer e usei)
1 ovo
1 c chá de essência de baunilha
1 1/3 x de aveia
1/2 x de passas

Misture a farinha com o fermento e o bicarbonato. Em outra tigela, misture os ingredientes líquidos e junte à farinha. Adicione as passas e a aveia. Misture bem e vá derrubando colheradas da massa sobre uma assadeira forrada com papel manteiga ou alumínio. Asse até que os cookies dourem.

1.5.09

Plantando

Tirei o dia do trabalho para plantar alguns bulbos de flores no jardim. Arranquei os pés de cosmos alaranjados que estavam secando e praticamente viraram uma praga do quintal e estou pensando no que seria bom plantar. Já comprei sementes de cosmos rosa e branco, estava procurando bulbos de dálias, mas só achei sementes.
Encontrei estes bulbos de Ismene em um mercado onde entrei para comprar uma garrafa de água. Estava na cidade com uma porção de coisas para fazer: ir ao banco, correios, lotérica (jogar na mega-sena como faço há anos sem muito resultado), estava com sede e entrei em um mercado próximo para comprar água mais barata do que nas lanchonetes. Era coisa rápida, mas antes de chegar ao caixa eu vi uma prateleira com vários pacotes de bulbos de flores pendurados e acabei pegando um para levar, enfim, ao invés de economizar R$0,50, gastei R$3,00, mas o preço estava bom e fiquei com pena daqueles bulbos todos pendurados, os de Ismene que comprei praticamente já estavam brotando e era uma pena deixá-los ali. Espero que as flores fiquem tão bonitas quanto na foto da embalagem.