10.8.11

Das árvores


Os pés de sibipiruna estão novamente com folhas novas e as vagens da última florada estouram lançando as sementes para o ar com um estalo divertido. A vagens secas terminam no chão e fazem creque-creque quando são pisadas.

Árvores ocupam uma posição de destaque em minha memória. Cada uma delas tem características diferentes que marcam estações do ano ou períodos da minha vida. A sibipiruna com seu creque-creque e folhas novas me faz antecipar o fim dos dias frios e também me lembra das aulas de educação física do colégio. Naqueles tempos, nós a chamávamos de "cuspideira". Como fazíamos corpo mole, muitas vezes apenas ficávamos sentados ao redor da quadra sob a sombra de uma sibipiruna vendo os outros suarem a camisa. Quando os brotos novos surgiam, sentíamos gotículas de seiva caindo sobre nós e os bancos de concreto ficavam meio pegajosos. Acho que a árvore reprovava nossa preguiça.

Eucaliptos me lembram de um período ainda mais distante. Sempre havia eucaliptos por perto em minha infância. Gostava de amassar as folhas novas entre os dedos para sentir seu perfume. Também me divertia correndo sobre as folhas secas tingidas de várias cores.

Hoje acrescento as mangueiras e as palmeiras à minha lista. As primeiras me reconfortam à noite na época em que os frutos maduros vêm ao chão com uma audível "ploft". Sim, por mais estranho que pareça, esse som é reconfortante. Um som cheio de doçura próprio das frutas maduras. Jás as palmeiras são seres levados, de vez em quando estou na cozinha à noite e levo sustos quando uma das folhas cai. É um farfalhar seguido de um som grave e repentino.

Também não posso deixar de mencionar as pintangueiras. Hoje eu as associo à respiração do O. Explico. O O. tem rinite, sinusite e um pouco de apneia (que sorte, né?) e noto que a respiração dele piora quando nossa pitangueira entra em floração. A árvore é enorme e a floração, exuberante. Basta abrir a janela para ouvir o zum-zum das abelhas pela manhã. Pode ser coincidência, mas talvez realmente haja uma relação de causa e efeito e o pólen afete sua alergia.

E há as goiabeiras, as jabuticabeiras, as caramboleiras, muitas "eiras".

Fico pensando em quantas árvores ainda vão deixar sua marca em minhas lembranças, afinal, há tantas para uma vida que é impossível abraçar todas.




Nenhum comentário: