14.4.12

Da inconsistência

O senhor que vende queijos de casa em casa passa por aqui todos os sábados. Gostamos muito do queijo coalho que compramos na primeira vez, achamos que ele continuava bom nas duas semanas seguintes, mas depois ele começou a ficar mais amarelo, "curado", segundo o vendedor, e perdeu um pouco do frescor inicial.  Passei a pedir os queijos mais brancos e novos, mas eles nunca mais foram os mesmos, apesar de o vendedor (que também é o produtor do queijo) afirmar o contrário. Após algumas tentativas, acabei desistindo de comprar o tal queijo e fiquei pensando na razão pela qual vários negócios que poderiam ir para a frente acabam naufragando pelo caminho, muitos fracassos estão relacionados à falta de consistência, em se oferecer algo no início, atrair uma clientela e acabar por desapontá-la quando não se consegue manter um padrão de qualidade. Entendo que há várias explicações para esse tipo de fenômeno (falta de capital, de planejamento, de cuidado, de interesse, etc), mas é uma pena, especialmente quando se trata de um negócio pequeno.

7 comentários:

Danni e Lype disse...

Querida Karen,
Concordo contigo... É uma pena...
Muitas vezes um negócio acaba minguando até por puro egoísmo de ganhar ++++...
Grande beijo, Irene

Karen disse...

Pois é, Irene!

Georgia disse...

Karen, é realmente uma pena.

Bom domingo...


Abracos

VERA LÚCIA disse...

E isso ocorre com todas as
atividades. A gente se anima,
gosta, começa a comprar ou a
frequentar o estabelecimento e
aí, de repente, as coisas
começam a piorar. O fim é
inexorável, mais dia menos dia
esses negócios acabam. É uma
pena.
Vera Scheidemann

Karen disse...

Georgia, também acho, gostava do queijo... :(

Vera Lúcia, isso ocorre com frequência, não é mesmo? Lembro de vários restaurantes que deixei de lado por causa de situações assim.

wair de paula disse...

Eu tenho uma teoria que o queijo de coalho que como na praia, em Recife, é diferente o que comprou em SP. E quando levo-o para SP, ele nao viaja bem, assim como o queijo manteiga. Mas concordo com seu post, lembro de um hotel que tinha um chef patissier fantástico que trocou pelo assistente de cozinheiro, transformando os croissants leves e crocantes em massas borrachudas...

Karen disse...

Wair, o "queijo coalho" em questão não é o original. Ele é feito na minha cidade pelo próprio vendedor, por isso fiquei decepcionada. Ele é o vendedor e o fabricante, deveria ter mais controle sobre a qualidade do produto. Já o coalho feito no nordeste, esse eu nunca provei...