24.5.12

Em obras


O quintal está de pernas pro ar. Piso velho out, piso novo in. Mas ainda estamos na fase "out" e o dia passa enquanto tento ler e escrever ao som da britadeira. A obra não tem nem uma semana, mas vou lá fora e fico perguntando para os pedreiros qual a previsão para terminar tudo, o que preciso comprar, se já preciso comprar, como cada coisa será feita, etc. Enfim, sou control freak total. O pedreiro-mor é paciente e dá a entender que tudo está sob controle. Mas fico sempre com um pé atrás, cada pedreiro tem seu jeito de fazer as coisas, mania de quebra-galhos e sempre falta algo na lista de itens a serem comprados, o que me enerva. Cresci vendo meu pai mandar construir, quebrar e refazer a casa onde morávamos e destesto esse tipo de coisa. Basta dizer que a laje da casa foi colocada enquanto estávamos lá dentro, os móveis iam sendo arrastados de cômodo em cômodo, parecia um acampamento. Por outro lado, acabei aprendendo o nome de instrumentos e a identificar etapas de uma construção. Também devo dizer que pedreiros e agricultores são dois profissionais que admiro. Quem cultiva o que como ou sabe erguer uma casa tem meu respeito. (E espero continuar a ter essa opinião sobre os pedreiros daqui a um mês, quando essa arrumação termina).

9 comentários:

Georgia disse...

Eu simplesmente adoro estas coisas. Melhor quando tudo está pronto e ai posso me deliciar com o novo ambiente, rs.

Mostra a bagunca, rs, antes e depois...


Abracos

Karen disse...

Georgia, se as coisas não ficassem piores, eu nunca faria reformas. Realmente não gosto.

Acabei não tirando fotos do "antes", na verdade, acho que vamos diminuir a área de piso e aumentar a de grama. :)

VERA LÚCIA disse...

Você tem toda a razão de "ficar em cima", controlando. A gente tem que estar a par de tudo para poder cobrar depois. Mas obra é realmente um horror. O bom é que quando termina a gente tem um alívio de ver tudo tão bonito, do jeito que se imaginou. Tomara que tudo termine bem por aí !
Beijinhos.
Vera

Karen disse...

Vera Lúcia, mal posso esperar para ver tudo pronto!

Já tivemos algumas baixas com alguns canos, espero não ter mais nenhuma surpresa! :(

tatiane disse...

Também não gosto de reformas, fico numa crise de ansiedade que começa dias antes da obra e dura até terminar a limpeza dias depois do pedreiro ir embora (a última obra aqui foi dentro do quarto de dormir, imagine minha alegria).
Enquanto isso, paciência e protetores de ouvido para sua leitura - britadeira é um instrumento que tenho verdaeiro trauma desde o prédio que construíram em frente ao prédio onde moro.

Quéroul disse...

lá na casa dos pais o estado de reforma é constante, coitados...

lembrei do meu avô, que construiu muitas casas e também todo pavimento do sítio dele, fez tijolos e etc. aquele era um homem que não tinha medo de meter a mão na massa.

ele também construiu minha casinha de madeira de brinquedo. :D

banzai disse...

Assino embaixo que os pedreiros e agricultores também tem o meu profundo respeito. Eu queria saber construir uma casa ou ser uma agricultora. Ao contrário me divirto com a cantoria, a conversa simples, a alegria dos pedreiros, rsrsrs
madoka

Karen disse...

Tatiane, a britadeira, felizmente, já não é mais necessária, acho que a parte do quebra-quebra termina hoje. Também fico numa ansiedade horrorosa, o bom é que a obra é do lado de fora.

Quéroul, meu bisavô também fazia coisas do arco. As pessoas se viravam mais antes, provavelmente por necessidade. A casa dos seus pais deve ser igual a minha, cheia de coisas para arrumar aqui e ali, casas no "campo" parecem sofrer desse problema. rs

Madoka, eu não gosto de gente estranha em casa, acho que tenho problema de território, me incomoda muito. rs

Georgia disse...

Karen, tá pior do que eu pensei, rs.

Bom fim de semana


Abracos