29.8.12

Dos serviços



Continuo pintando coisas por aqui, comecei com uma janela de banheiro, depois outra janela de banheiro, as hastes do varal, mais duas, três janelas. Semana passada pintei o portão da lavanderia e agora vou comprar mais lixas para pintar o portão de casa e as grades da varanda. Lixar é o que mais me cansa e mais faz sujeira. O projeto é pintar quase tudo o que for de metal até o final do ano. Não sou uma grande pintora, mas há tanta ferrugem que qualquer tinta já melhora o visual.

Começamos com uma reforma pontual em junho e entraremos em outubro com a pintura da casa (ela não é pintada há, no mínimo, vinte anos) . Ando meio estressada com tudo isso e agosto não tem sido um mês fácil. Esses dias descobrimos que um dos canos da piscina está com um provável vazamento, mas o O. não quer nem pensar em sair quebrando o que acabou de ser refeito e pretende esperar mais um tempo para chamar um técnico que identifique o lugar exato do vazamento e faça o conserto. Como é o cano da aspiração, botamos uma tampa na sua entrada e estamos nos virando com um filtro portátil, não é perfeito, mas funciona. 

Toda essa experiência de ligar para pedir orçamentos e contratar pessoas/empresas diferentes para fazer coisas aqui em casa me fez concluir que o setor de prestação de serviços ainda deixa muito a desejar. Há empresas ótimas e responsáveis, mas não são maioria. Além disso, nenhuma delas dá nota fiscal de livre e espontânea vontade, é preciso pedir antes de pagar se quiser ver a sua cor.

Contratei os serviços de uma empresa na minha cidade para dar uma geral nas calhas, passar um produto para aumentar a sua durabilidade e revisar a vedação, o serviço saiu caro e, inicialmente, disseram que o trabalho duraria dois dias, que finalmente se converteram em menos de um dia. Um responsável deixou dois rapazes e viria buscá-los quando tivessem terminado. Eles não trouxeram comida ou água e acabei improvisando uma torta salgada para que eles não passassem fome. Serviço feito, o responsável voltou para levá-los e não checou nada. Vi que os rapazes  haviam trocado algumas telhas quebradas, perguntei onde elas foram deixadas e eles responderam "em um canto", como não vi telhas no chão, acho que elas ficaram debaixo do telhado. Isso já me deixou irritada, laje não é lixeira. Depois que foram embora, peguei a escada e chequei o telhado, havia algumas telhas meio desalinhadas. Liguei pedindo para que alguém viesse verificar aquilo, mas estaria esperando até hoje se não tivesse pedido para o pedreiro que chamei para consertar um vazamento (outro) botar tudo no lugar. Espero que ao menos as calhas passem pelo teste da chuva. Quanto a empresa, logo ela irá para o Reclame Aqui

Os prestadores de serviços deveriam dar mais atenção aos clientes, afinal, não estão fazendo um favor. Sei que poucos funcionários permanecem nessas empresas por muito tempo porque não há estímulo e os benefícios são mínimos. Geralmente, também não há treinamento e aprende-se colocando a mão na massa, mas isso tem que mudar. As pessoas estão mais exigentes, esperam um serviço bem feito.

Não gosto da ideia de associar o mês de agosto a acontecimentos desgostosos, mas, sinceramente, não vejo a hora de que este mês passe. Vazamentos diversos, galhos derrubando fios, serviços relaxados, chega! Meu consolo é que são todas coisas que podem ser consertadas...


8 comentários:

Inessa disse...

É Karen, infelizmente os funcionários dos prestadores de serviços não tem uma boa formação,educação...estou tendo problemas com a reforma em casa também, justamente porque eles não sabem pensar numa solução quando um problema aparece, muitas vezes eles executam o serviço com o problema ali e na hora de vermos o resultado já era e mais $$ e tempo gasto pra consertar. Torço pra que um dia os serviços melhorem...queria ter mais tempo pra poder acompanhar a obra mais de perto. Não fique assim, vai dar certo!

Quéroul disse...

meus pais ficaram em uma novela de piso por um ano. primeiro, a enrolação pra fazer o serviço na parte dos quartos. depois, quando resolveram fazer a sala, toda uma nova epopéia que começou lá por novembro e foi se acabar (oremos!) há umas duas semanas.
eles vivendo lá acampados por todo esse tempo, pra ver um serviço porco tendo que ser refeito.
um saco.
e as coisas não são baratas, né? não é como se o cliente estivesse só enchendo o saco dos prestadores... enfim.

boas pinturas aí. cansa pra burro, eu sei, mas pelo menos você evita alguns momentos de raiva.

=*

Karen disse...

Inessa, as empresas deveriam investir na formação dos funcionários, não simplesmente ir contratando gente à medida que alguém sai. Cobrem mais, diminuam a margem de lucro, mas façam direito, é o mínimo...

Sorte com a sua casa, eu, ao contrário, preferia estar bem longe enquanto as coisas são feitas... rs


Karen disse...

Quéroul, eu rezo para que não chegue o momento de ter que fazer algo desse tipo, pois se a reforma já é ruim fora, imagine dentro de casa! Mas acho que um dia será inevitável, há muita umidade subindo pelo chão, para não pintar, cobrimos as paredes do quarto com papel, mas os anos vão passando e a coisa vai ficando feia. Sem falar que o O. tem alergia a pó, tinta, etc. Seria o fim do mundo! :(

Espero que seus pais tenham sossego agora.

Anônimo disse...

Infelizmente essa é a realidade no Brasil. Não existem profissionais competentes e honestos. As pessoas deveriam investir mais em carreiras técnicas, cuja carência é sentida por todos nós. É muito melhor ser um ótimo profissional de obras, eletricista, bombeiro etc. do que ter um diploma de nível universitário e não conseguir trabalho... Mas vai botar isso na cabeça do brasileiro ! Só é bom quem cursou a universidade. Pena...
Beijinhos.
Vera
P.S. Não se impressione com o mês de agosto. Você teria dissabores se a obra fosse realizada em qualquer um dos outros 11 meses do ano.
Beijocas... e coragem que um dia a obra acaba.
Vera Scheidemann

Karen disse...

Vera, realmente um bom curso técnico faz uma falta muito grande. Fico perplexa com a dificuldade de encontrar um eletricista, pedreiro, serralheiro, etc., disponível para vir fazer um orçamento, todos dizem que há muito trabalho. E o profissional nem precisa ser tão bom assim. Há carência mesmo. Fora, há cursos para se instalar pisos, telhados, fiação e provas, só recebe o diploma quem passa nos testes, isso praticamente não existe no Brasil.

Seu "P.S." não me animou muito... rs

Anônimo disse...

Comprei a casa onde estou há quase 10 anos e dividi a reforma em quatro etapas.

Sabe o que aconteceu?

O serviço não ficou ruim,,,mas cada um que vem estraga o que o outro fez de bom.

Vou dar apenas 3 exemplos:

O pedreiro quebrou a soleira da porta na hora de quebrar o piso para colocar outro.

O pintor conseguiu fazer 2 buracos em cada comodo que pintou.Detalhe :
O piso novo.

O pintor que contratei para pintar a área externa,,,pintou bem,,,mas vá ver os detalhes,,,tem coisa que ficou pra trás.

Reclamar?Mandar fazer de novo?
Não compensa o desgaste,,,cidade do interior com gente de fora não combina...essa foi a impressão que eles deixaram.

Tem mais,,,mas..melhor não...rsrsrs

Yra doce

Karen disse...

Yara, história tragicômica, hein? Aqui também é mais ou menos assim. O pior é que a pessoa que aparece em seguida sempre fala mal do trabalho da anterior... Acho que o jeito é "relaxar e gozar" mesmo. rs