19.2.16

Quem ri por último

Calor, hein? As chuvas andam menos imprevisíveis na minha região, espero que continuem assim.

Não tenho cozinhado muito. Grelho alguma carne, há arroz e vegetais, nada muito trabalhoso ou criativo. Continuo evitando doces, mesmo que sempre me dê vontade de beliscar algo junto com o café depois do almoço, mas tento me manter firme. A gordura se torna mais persistente quando nos aproximamos dos "enta".

Estou finalizando a limpeza de final/início de ano. Lavar telas e janelas é a próxima tarefa. Encaro os cuidados com a casa como minha "academia", assim economizo duplamente, não pago para me exercitar e não pago para ter a casa limpa.

Uma coisa boa de ter terminado o mestrado é que a vontade de ler voltou com tudo. Tenho lido bastante e com prazer. (Depois comento algumas leituras). 

Os últimos filmes que vi foram: Star Wars (até gostei, pois me fez lembrar dos primeiros que assisti na infância), O Marciano (melhor do que esperava) e Relatos Selvagens (Ótimo! Os argentinos sabem fazer filmes). E só. Leio mais do que assisto a filmes. Fora isso, vejo documentários que gravo da NHK e TV5, também acompanho algumas séries com o O., atualmente: New Girl, Life in Pieces e Grimm (esperando pelo retorno de Broad City e Game of Thrones).

Plantei mais algumas mudas de flores, cannas de cores diferentes, zingiber e moreas. Se alguém dissesse que eu me interessaria pela jardinagem e assumiria os cuidados com o nosso jardim dez anos atrás, eu teria dado uma risada.

continuo alimentando os pássaros pela manhã
glória da manhã

10.2.16

Sobre a cerimônia do chá e o zen

Trechos do livro Zen and Japanese Culture de D.T. Suzuki. Tradução minha:


"Nestes tempos modernos, como muitos de nós estão situados em relação ao mestre de chá? Não faz sentido falar em um entretenimento tranquilo. Vamos obter o pão primeiro e menos horas de trabalho." Sim, é verdade que nós temos que comer o pão obtido com o suor de nosso rosto e trabalhar algumas horas como escravos de máquinas. Nossos impulsos criativos foram miseravelmente recalcados. Entretanto, acredito que não seja por esse motivo que nós, os modernos, perdemos nosso gosto pela capacidade de relaxar, de encontrar tempo em meio a nossas preocupações para aproveitar a vida sem ser correndo atrás de estímulos apenas pela diversão. A pergunta é: Como terminamos por nos entregar a uma vida na qual os problemas são suprimidos apenas temporariamente? Por que não refletimos mais sobre a vida de modo mais profundo, mais sério, para ter uma ideia de seu significado mais íntimo? Quando essa pergunta for respondida, se necessário, negaremos todo o mecanismo da vida moderna e começaremos de novo. Espero que nosso destino não seja nossa escravidão contínua às necessidades e bem-estar materiais.

 "De fato, é um grande erro ostentar wabi enquanto, internamente, nada está de acordo com esse conceito. As pessoas constroem uma sala de chá com todos os requisitos para que ela aparente wabi; muito ouro e prata é desperdiçado no trabalho; objetos raros de arte são comprados com o dinheiro  adquirido por meio da venda de suas terras - tudo isso para exibirem às visitas. Elas acreditam que a essência de uma vida de wabi encontra-se ali. Mas longe disso. Wabi significa insuficiência de coisas, falta de meios para satisfazer todos os desejos que se possa ter, geralmente, uma vida de pobreza e tristeza. Deter-se em desespero no curso da vida devido à incapacidade de prosseguir - isso é wabi. Mas não nos afligimos com isso. Aprendemos a ser autossuficientes com a insuficiência das coisas. Não procuramos coisas além de nossos meios. Deixamos de ter consciência do fato de que estamos em situações difíceis. Se, entretanto, persistirmos com a ideia da pobreza, insuficiência, ou miséria de nossa condição, não seremos mais pessoas de wabi, mas pessoas afetadas pela miséria. Aqueles que sabem o que é wabi, estão livres da ganância, violência, raiva, indolência, desconforto e tolice. Wabi corresponde ao Pāramitā da moralidade como ela é observada pelos budistas."

Quando o wabi é explicado da forma acima, os leitores podem achar que ele é mais ou menos uma qualidade negativa, e que ele é desfrutado pelas pessoas que fracassaram na vida. Talvez isso seja verdade em certo sentido. Mas quantos de nós são tão saudáveis a ponto de não precisar de remédio ou de um fortificante de um tipo ou de outro em algum momento da vida? E todos estamos destinados a morrer. A psicologia moderna fornece muitos casos de homens de negócios ativos, fisica e mentalmente, que repentinamente entram em declínio depois que se aposentam. Por quê? Porque eles não aprenderam a conservar uma reserva de sua energia; ou seja, eles nunca pensaram em um plano de recolhimento enquanto estavam trabalhando. O guerreiro japonês, naqueles dias de batalhas e agitação do passado, quando estava mais ardorosamente envolvido nas atividades da guerra, percebia que não poderia permanecer  com os nervos à flor da pele, sempre em vigília, e que precisava de alguma forma de escapar em algum momento e lugar. O chá deve ter lhe dado exatamente isso. Ele se recolhia durante algum tempo em um canto tranquilo de seu inconsciente, simbolizado pela sala de chá de menos de um metro quadrado. E, quando ele a deixava, sentia não só a mente e o corpo revigorados, mas provavelmente sua memória era renovada com coisas de valor mais permanente do que a mera luta.


8.2.16

Janeiro, fevereiro...

E o primeiro mês do ano já se foi. A máquina de lavar chegou e já está funcionando. O sensor da entrada de água da antiga não funcionava mais e eu tinha que enchê-la com uma mangueira (o que gerava alguns transbordamentos). É ótimo poder colocar a roupa dentro da máquina nova, ligá-la e  esquecê-la até o fim do ciclo de lavagem.

Um técnico veio dar uma olhada na piscina e, como suspeitava, o problema parece ser mesmo estrutural. Ele quer tirar os azulejos dos locais com trincas e fazer uma impermeabilização. Eu contei 14 trincas nos azulejos e entre os rejuntes. Ele me mandou um orçamento para reparar 5-6, depois que o questionei, ele disse que viria para contá-las comigo para poder dar alguma garantia. Sinceramente, já fiquei com um pé atrás. Paguei pela vistoria e para detectar os vazamentos. Ele não me enviou um recibo ou o "laudo técnico" como prometido. Vamos ver se ele fará isso depois que vier aqui novamente. Esperava algo mais cuidadoso, detesto quem aparece dizendo que solucionará os seus problemas e ainda se oferece para fazer coisas extras (obviamente, não de graça). Primeiro, prove que é um bom profissional. Se gostar, irei chamá-lo novamente, oras. Estamos pensando em cobrir tudo com vinil. Ele teria que ser trocado após alguns anos, mas mexer nas trincas não me parece lá muito garantido. Qualquer movimentação da terra poderia fazer com que elas retornassem. Além disso, a piscina é antiga, tem cerca de 30 anos. 

Piscina. O típico objeto de desejo da classe média e fonte de muitas dores de cabeça. Tomar sol na beira da piscina bebendo um coquetel é a fantasia mais besta que existe. O proprietário faz isso algumas vezes por ano e apenas no início. Quem se diverte mesmo são os amigos, amigos dos filhos e os netos. O resto do tempo é feito de retirar folhas, esfregá-la, colocar cloro, algicida, clarificante, aspirar a sujeira, esvaziá-la, enchê-la, consertá-la. Sei disso porque sou a "piscineira" oficial da casa.

Recebi uma muda de gumi e outra de limão yuzu do viveiro do Edilson. Vieram pelos correios, achei ótimo poder comprá-las assim. Substituí algumas mudas que secaram após as chuvas. O gumi (Elaeagnus umbellata), ou alegria dos pássaros, dá umas frutinhas vermelhas e, apesar do nome, elas podem ser consumidas também pelos seres humanos, são doces, mas bastante adstringentes. Um conhecido de meu pai tinha um pé na frente da casa e sempre comíamos as frutinhas quando o visitávamos. O yuzu é bastante usado na culinária japonesa e já fazia algum tempo que pensava em arrumar uma muda.

A figueira que também comprei do Edilson está com frutos assim como os pés de maracujá, as mudas foram feitas a partir de sementes. 

figos roxos
alegria dos pássaros
yuzu
glória da manhã
flores de almeirão do vizinho
mudas de cerejeira, surgiram de sementes que germinei, espero que ao menos deem flores
maracujá azedo
rosa do deserto, estou louca para ver as flores