29.5.12

Mistérios e fantasmas - Okamoto Kido


Continuo lendo textos curtos em japonês. Esses dias dei para gostar de histórias de mistério, com direito a fatos inexplicáveis e aparições fantasmagóricas, um estilo muito popular no Japão. Okamoto Kido é um autor de vários gêneros: peças de kabuki, contos de terror e, inspirado nos livros de Conan Doyle, criador do Sherlock Holmes, criou o personagem do inspetor Hanshichi que soluciona casos estranhos no Japão feudal. Li dois contos de terror e dois relatos de casos do inspetor Hanshichi. Sempre começava sem grandes expectativas, mas não conseguia parar de ler até saber qual era o final, os enredos dos contos de assombração não são lá muito arredondados, mas, convenhamos, histórias de fantasmas sempre deixam muitas pontas soltas.

Em "O demônio de cabelos brancos", um estudante de direito é assombrado pelo fantasma de uma mulher de cabelos brancos que aparece na sua frente sempre que ele presta o exame de ordem (um tipo de exame da OAB). Ele fracassa quatro vezes por causa disso. O fenômeno envolve eventos misteriosos e, no final, há uma sugestão de quem seria a mulher afinal de contas.

"Cem histórias de fantamas" tem o período de samurais como cenário. São cinco ou seis vigias que resolvem contar cem histórias de fantasmas para passar o tempo e também para comprovar se fantasmas e fenômenos estranhos realmente ocorrem neste mundo. Cada um deles deve contar cerca de três histórias de assombração por turno até completar o número de cem, depois de contar a sua quota, a pessoa deve ser levantar, atravessar vários salões escuros, apagar a mexa de uma lâmpada e retornar. É nesse percurso que algo estranho acontece...

Já nos casos do inspetor Hanshichi, os elementos sobrenaturais sempre acabam se provando bem mundanos. Em um dos relatos, ele se depara com o caso de uma senhora que diz ver o fantasma de uma mulher na cabeceira de sua cama todas as noites, enquanto em outro, a dona de uma loja morre em circunstâncias aparentemente inexplicáveis. 

Os textos foram escritos no começo do século XX e seus enredos são um pouco "inocentes" e simples para os tempos atuais, mas são divertidos.


5 comentários:

Georgia disse...

Nunca li nada no gênero, Karen.

Mas tb nao sou fa de contos de terror.

Bjao

banzai disse...

Olha, histórias de mistério não é muito a minha praia,rs. Esses dias eu dei de gostar de kabuki, que incríveis maquiagens que os próprios atores (maioria homens) conseguem executar com extrema sutileza.
madoka

Karen disse...

Georgia, também não é bem o meu estilo, mas não consigo parar quando começo! rs

Madoka, ver as cerejeiras em flor, ir um dia ver o campeonato de sumô e assistir a uma peça de kabuki são alguns de meus sonhos japoneses. Kabuki deve ser uma experiência incrível, eles dão livretos para que a gente possa entender o que os personagens estão dizendo, não é mesmo?

banzai disse...

Vc está acompanhando campeonato de sumô pela NHK? Aí tem que madrugar não é mesmo? Meu pai gostava, era o único que assistia em casa. O meu filho tem um amiguinho que pratica sumô, e já falei pra ele quando tiver campeonato, que queremos ir torcer. Não entendo as regras, nem do sumô e yakyuu!!
Madoka

Karen disse...

Madoka, o O. às vezes assiste, mas o interesse esfriou, ele diz que não há mais grandes lutadores. A NHK passa um compacto das lutas na parte da tarde. Até aprendi algumas regras do sumô, acho divertido! rs