4.1.13

Salada de grãos com molho de iogurte


Foi inspirada em uma receita que vi de relance em uma revista de consultório médico. Ela era mais elaborada, mas não me lembrava de todos os detalhes.

Cozinhei grãos de trigo (previamente deixados de molho na noite anterior) e lentilhas em panelas separadas, pois o tempo de cozimento é diferente. Juntei os dois em uma tigela, adicionei cebolas picadas (gosto de passá-las pela água e escorrer antes de usá-la em saladas), salsinha, manjericão e hortelã picados e temperei com um pouquinho de sal. Misturei tudo e servi com um molho à parte feito com iogurte, suco de limão, azeite, alho picado e sal. Dica: deixe o iogurte escorrer um pouco sobre uma peneira forrada com um pano de prato para que não solte tanto líquido quando for colocado sobre a salada.

Você pode adicionar outros ingredientes como cevada, legumes ou frango grelhados, alface, etc.

Um avião passava na hora em que abri a porta pela manhã. Sempre paro para observar os rastros que eles deixam no céu.


6 comentários:

kalina morena disse...

salada delicia. delicia.

Quéroul disse...

ai, o trigo em grão. sabe que eu nem sei onde e como compra? eu adoro.

ô céu bonito.

Georgia Aegerter disse...

Karen, eu adoro esta salada, mas nunca a fiz co iogurte, meu tempero leva tâmaras ou mel, rs.

Ah, e nós temos a mesma mania ao olhar o céu, rs.

Bjos

Judy disse...

Que delícia juntar os dois grãos.
E a dica de deixar o iogurte dar uma "secada" é ótima.

Também estou sempre a espiar o céu, por aqui vemos um monomotor que religiosamente passa nas quartas a tarde...



Marly disse...

Olá, querida, Karen,

Gostei da saladinha e quando der vou tentar reproduzi-la, pois tomei a resolução de comer de maneira mais saudável, rsrs.
Quanto ao livro, creio que o filme é fiel a ele, pois Lili o viu e não relatou divergências entre os dois.
É muito possível que eu esteja mesmo delirando, em minhas associações, mas posteriormente pretende explicar a razão delas, rsrs.

Beijo e votos de que você tenha um 2013 excelente!

Marly disse...

Karen,

Tive de voltar, pois Lili acabou de me dizer, por e-mail, que achou o filme mais leve do que o livro. Ela também disse que amou o livro e que vê semelhanças entre ele e o O Apanhador no Campo de Centeio, que é um livro que ela ama.
Mas este livro, em minha opinião, tem o bônuns adicional de, no fim das contas, contar uma estória dramática, né?
Eu o recomendo, rsrs. Porém tem o pormenor da menção honrosa a The Fountainhead (que eu não li, mas do qual conheço a fama e até a estória há anos; pretendo lê-lo este ano, se achar um volume disponível). The Fountainhead é considerado um dos livros que mais influenciou a humanidade. Dizem que a autora foi muito influenciada pelas idéias de Nietzsche e bolou o romance para divulgar tais idéias. E calhou de o 'A Vantagem de ....' contar esta estória que envolve conflitos de um adolescente, coisa muito presente em Demian, que é muito mais ... sei lá... provocativo, rsrs.
Acho que Nietzsche foi também a causa de Herman Hesse ter se tornado escritor e ele nunca deixou de ser fiel ao "mestre", rsrs.

Quanto à capa do livro, deve ter mudado, depois do filme. E o autor deve ter adorado a mudança, um forte apelo de marketing, rsrs.

Beijo!