19.9.06

Fortaleza 4 - Restaurantes

As escolhas de restaurantes em Fortaleza foram quase todas baseadas em sugestões de conhecidos e guias de viagem e acho que elas não foram de todo más. Tivemos várias boas surpresas.

No primeiro dia, após descobrirmos que a comida do hotel não era a melhor opção, decidimos nos aventurar por restaurantes próximos, pois não tínhamos tempo para ficar indo para locais mais afastados. À noite, a professora que nos ciceroneava pela cidade nos levou para jantar no restaurante La France. Você entra em um salão cheio de quadros nas paredes e se senta em uma das várias mesas de madeira. Pedimos um "peixe à belle meunière", ele veio bem temperado com limão e grelhado em uma mistura de ervas e manteiga, acompanhado de batatas cortadas bem fininhas e fritas até ficarem crocantes. Estava bom, apesar de achar que havia um pouco mais de óleo na refeição do que estou acostumada a comer. Nossa cicerone gosta muito desse restaurante e acho que é uma boa opção, ele está fora da rota dos turistas e os pratos servem duas pessoas por bom preço.


Outro restaurante que ficava próximo do hotel (apenas dois quarteirões) era o Cemoara, no Guia 4 Rodas de 2005, constava que ele era o melhor restaurante de pescados da cidade. Confiando nessa avaliação, liguei para o número do guia para saber qual o horário de funcionamento e o número foi parar em uma cantina com o mesmo nome, alguém me informou que o restaurante havia sido dividido em dois (cantina e pescados) e me passou o número do outro estabelecimento. Confirmei que o restaurante funcionava na hora do almoço e fomos lá. Ele fica no saguão do hotel Mercure e, apesar de não ser grande, é bem arrumadinho. Os garçons são super simpáticos e ficamos papeando um pouco, éramos praticamente os únicos comensais da casa. Pedimos um carpaccio de salmão como entrada (muito bom!), e continuamos com um Filé de beijupirá à Delícia (um peixe local grelhado e coberto com uma banana e bechámel, muito bom, se você entrar em outro restaurante e ler "peixe à Delícia", experimente!) e um salmão com molho de laranja. Ambos os pratos eram bem feitos, mas não sei se o restaurante merecia a estrela do Guia. A carta de vinhos é divertida, eles trazem um carrinho onde estão expostos todos os vinhos da casa com os respectivos preços, você escolhe e eles trazem uma garrafa da adega climatizada. O dono do restaurante é português e importa os vinhos diretamente de Portugal, havia muito pouca coisa da América do sul, uma pena. (Vi uma garrafa de Pera Manca por R$750,00!). Bebemos uma garrafa de Chardonnay chileno que estava mais em conta, mas bem esquecível (já nem lembro o nome), como não íamos beber tudo, perguntamos se eles poderiam guardar o que sobrasse para quando voltássemos ao restaurante e eles disseram que sim. Ah! O pessoal era tão atencioso! Acho que decidimos retornar por isso. Voltamos lá na noite seguinte para comer lagosta e terminar nossa garrafa! Li que ela era mais barata naquela região, mas eu não achei. O diferencial do restaurante, segundo o maître, era que a lagosta deles era grande, eles não compravam lagostas menores do que as especificadas por um determinado padrão. Você tinha a opção de pagar pelo peso (cada 100g) ou o valor do prato, escolhemos a primeira opção e dividimos o rabo de uma lagosta em dois pedaços, o de O virou uma "lagosta ao molho Thermidor" e o meu foi grelhado e servido com batatas coradas. Não era uma quantidade fenomenal, mas estava bom. (O não gostou muito do prato dele, achou salgado). Comemos crepes suzettes de sobremesa. Eles fazem a calda de laranja na hora, em um fogareiro no meio do restaurante, muito gostoso.


Para aliviar o nosso bolso e voltar à nossa dieta, almoçamos em um restaurante natureba por quilo chamado Gergelim (outra sugestão de nossa cicerone), ele fica meio escondido em uma avenida movimentada, você pode comer no salãozinho climatizado com mesas de granito bruto (a superfície delas é irregular, há uma certa dificuldade em manter os pratos e copos em uma posição estável) ou do lado de fora, no pequeno jardim arborizado dos fundos. Há opções de saladas e pratos quentes feitos com soja, peixe e frango. Gostei bastante do lugar, a lista de sucos é enorme e eles preparam a mistura que você quiser, O pediu um suco de aipo, cenouras e pepinos eu fiquei no de melancia. As sobremesas também são pagas por quilo, são quase todas light, há salames de chocolate, cheesecakes (não gostei), bolo de frutas e um tiramisú de tofu fantástico! Ele não tinha gosto nenhum de tofu e era melhor do que muitos tiramisús que já provei, fiquei tão impressionada!


O último restaurante da lista é o Pulcinella, onde jantamos em nosso último dia em Fortaleza, prometi a mim mesma que se voltasse algum dia (e pretendo voltar!), iria comer lá mais uma vez! Apesar do restaurante ser italiano, ele não tem nada de uma cantina, muito sofisticado, com uma decoração de bom gosto. Ar condicionado no salão e mesinhas, à noite, do lado de fora (e muitos seguranças ao redor do restaurante). Além de pratos de massa muito criativos, há opções igualmente interessantes de carne, aves (até avestruz!) e peixes. Como tínhamos comido um sanduíche à tarde, escolhemos pratos leves. Havia uma mesa com antepastos a quilo, mas ficamos em uns pasteizinhos de salmão de entrada e espaguete integral com brócolis, tomates secos e camarões. Os pasteizinhos eram redondinhos e massudos, (lembravam aquelas massas fritas feitas com pinga) bem crocantes e recheados com uma porção de salmão. Eu gostei, O esperava pasteizinhos com massa fina, de feira. O espaguete estava muito bom. Só o O leu a carta de vinhos e disse que ela precisava melhorar, só vi as garrafas nas prateleiras e aquelas que estavam expostas eram as de marcas mais populares.


Bem, não comi a famosa caranguejada! Fiquei na vontade, o maître do Cemoara nos disse que todas as quintas é dia de caranguejada na cidade e se você for até as barracas da Praia do Futuro à noite, vai ouvir o "toc, toc, toc" dos martelinhos quebrando as cascas dos bichos logo que chegar. Para não dizer que fui a Fortaleza e não passei pela praia do Futuro, eu peguei um táxi e pedi para ser levada até a barraca do "Chico do Caranguejo"! A praia fica meio afastada da cidade e, para quem estava esperando uma área tão urbanizada quanto a Avenida Beira Mar, foi uma surpresa e tanto ver uma praia cercada por terrenos quase vazios (a imaginação da gente prega peças!). As barracas são enormes e com boa infraestrutura. O taxista disse que não havia quase ninguém na praia naquele horário (16:00hs) e que o pessoal das barracas estava se preparando para receber gente para o forró da noite. Acabei pedindo para ele me levar de volta sem descer do táxi. Achei que era um programa meio furado ficar por ali sozinha. Se ainda tivesse alguém para me acompanhar, teria descido, andado pela praia e dividido alguns caranguejos. Também não tinha como avisar O sobre onde estava, o celular da Vivo não funciona em Fortaleza, vivíamos marcando nossos encontros pelo relógio. Para banhos de mar, fui informada, aquele é dos melhores locais e devo concordar


E assim, após nossas incursões gastronômicas, retornamos para casa falidos!

8 comentários:

Akemi disse...

Muito interessante suas incursões gastronômicas em Fortaleza. Pena não ter comido a caranguejada! Achei este tofu sem gosto divertido! Viajar sem dúvida é um rombo no orçamento, mas tenho certeza de que tudo valeu a pena, ne?

Akemi disse...

Esqueci de dizer que esta praia é linda! Uma delícia de ficar andando ou mesmo entrar na água, tem ondas baixinhas, parece. Água nas canelas já está fundo para mim! kkkkk

renata disse...

Nem me fale nessa Vivo. Fico muito aborrecida com essa agenciadora (é assim que fala?).Aproveitaste bem a viagem,hein! Em Fortaleza comi biscoitos maravilhosos inclusive uns biscoitos de coco que até hoje ensaio testar. Saudade. Ah, lembro ter ido em um rodízio de pizza em um lugar chamado Pasto&Pizza e sai de lá quase carregada rs de tanto comer. Sou pau para toda obra.

Fezoca disse...

eta delicia!!! que maravilha todas essas comidas do mar! minhas viagens sao pra Campinas... nada de carangueijo ou praias desertas. mas um dia... um dia... :-))

por que os segurancas fora do restaurante? pensei que Fortaleza nao tinha dessas chatices.

beijos!

Karen disse...

Akemi, sempre vale a pena gastar um pouco mais em viagens, é tão raro fazer isso! rs

Não sei se recomendo esta praia, ela fica na Av. Beira Mar, é muito urbanizada. Mas também não gosto de praias com muitas ondas, tem que ser mar calmo.

Renata, vamos mudar da Vivo para a Tim, é terrível ficar sem telefone, deu vontade de jogar o celular no mar!

Têm várias comidinhas interessantes para experimentar na cidade...

Fezoca, infelizmente, parece que a insegurança já chegou lá!

Avise se for marcar um encontro em Campinas!

Ana disse...

Estou gostando de ler sobre sua aventura em Fortaleza!
Ja gostei do restaurante natureba e do tal tiramissu de tofu, fiquei com agua na boca! E os pratos de peixe q comeram "sounded good"! Peixe eh sempre bom, ainda mais quando a gente sabe q eh fresquinho (comer peixe na praia meio q garante isso, ne?!)
Ana

valentina disse...

Karen, estou amando ler sobre as tuas aventuras. A caranguejada da praia do futuro é realmente muito boa.Minha prima me leva la quando vou visitar a familia.MAs isso é raro.Gosto mais de ficar nas praias afastadas e de ir pro cariri visitar minha familia. Comestes muitos peixes, coisas do mar,ne?!? Que bacana.E que inveja. Escreves tao gostoso que me sentei confortavelmente para ler.Que pena que acabou a leitura!! Até a próxima.

Karen disse...

Ana, sempre comemos peixe quando vamos ao litoral, eles são mais frescos sim!
O tiramisú era uma delícia! Até perguntei se tinha tofu mesmo!

Valentina, a irmã da professora que nos recebeu também mora no Cariri, fiquei com vontade conhecer um pouco mais do Ceará!