10.2.07

Trecho de um artigo do Woody Allen

Clique na foto para ampliar

Assinamos a revista Piauí e estamos contentes com ela. Há bastante coisa para ler e ela segue um estilo parecido com o da revista New Yorker, na verdade, ela costuma traduzir artigos que foram publicados nessa revista há algum tempo, caso deste aqui do Woody Allen que achei impagável, não sei se o artigo foi cortado, mas todos os trechos são hilários. O título é "Assim comia Zaratustra", se você conhecer um pouco de Nietzsche e de história da filosofia, vai achar ainda mais engraçado, selecionei alguns trechos:


"Nenhum filósofo chegou perto de solucionar o problema da culpa e do peso até que Descartes separou mente e corpo, de tal modo que o corpo podia se empanturrar à vontade, enquanto a mente pensava: "E daí? Não sou eu." A grande questão da filosofia perdura: se a vida não tem sentido, o que se pode fazer com a sopa de letrinhas? Foi Leibniz quem primeiro disse que a gordura consistia em mônadas. Leibniz fazia dieta e exercícios, mas nunca chegou realmente a se livrar de suas mônadas - ou, pelo menos, não daquelas que aderiram às suas coxas. Spinoza, por outro lado, jantava frugalmente porque acreditava que Deus existia em tudo, e é intimidador abocanhar um pãozinho judaico se a gente acha que está lambuzando de mostarda a Causa Primeira de todas as coisas."

A dieta de Nietzsche:

Café da manhã
suco de laranja
2 fatias de toucinho
profiteroles
mariscos assados
torrada, chá de ervas

O suco de laranja é o próprio ser da laranja manifesto e com isso quero dizer que é a sua natureza genuína, aquilo que lhe confere a sua "laranjidade" e impede que tenha o paladar de, digamos, salmão escaldado ou cereais moídos. Para os devotos, a idéia de qualquer outra coisa que não cereal no café da manhã gera sobressalto e pavor, mas com a morte de Deus tudo é permitido, e profiteroles e mariscos podem ser comidos à vontade, e até asinhas de galinha fritas com molho picante e queijo.

Almoço
1 tigela de espaguete com tomate e manjericão
pão branco
purê de batatas
torta de chocolate com recheio de geléia de damasco e cobertura de chocolate

Os poderosos sempre almoçam comidas gordurosas, bem condimentadas, com molhos pesados, enquanto os fracos ficam beliscando germe de trigo e tofu, convictos de que seu sofrimento lhes renderá uma recompensa na vida após a morte, onde costeletas de cordeiro na grelha fazem o maior sucesso. Mas se a vida após a morte é, como eu sustento, uma eterna recorrência desta vida, então os mansos terão de jantar eternamente pratos de baixas calorias e frango grelhado sem pele.

Jantar
Bife ou salsichas
batatas douradas
lagosta à termidor
sorvete de creme batido ou bolo em camadas

Está é uma refeição para o Super-Homem. Deixe que os encucados com a angústia dos altos triglicerídios e da gordura trans comam para agradar ao seu pastor ou nutricionista, mas o Super-Homem sabe que a carne marmorizada e queijos cremosos com sobremesas gordurosas, e, ah, sim, muita, muita fritura, é aquilo que Dionísio comeria - se não fosse o seu problema de refluxo.

7 comentários:

lunalestrie disse...

Hahahahahaha!!!
Muito engraçado! Adorei a parte do suco de laranja! rs.

fezoca disse...

O Allen eh muito mais 'normal' do que parece! Adorei isso! :-)) beijos,

Carla Ventura disse...

Essa revista é muito boa.Engraçado, lembou um pouco as pesquisas para minha monografia. Principalmente o primeiro capítulo. Lembrei do livro do Michel Onfray, que chama "O ventre dos filósofos: crítica da razão dietética" e também do Foucault. Poxa, deu até saudade! Té mais!

Maria Helena disse...

Hahahahahahaha... Impagável MESMO!!! Adorei e vou repassar seu post pra alguns amigos filósofos! Beijocas!

Karen disse...

Luna, eu gosto da parte do retorno retorno!

Fezoca, eu não conhecia esse lado dele!

Carla, eu não conheço esse livro, o título é divertido.

Maria Helena, espero que eles riam!

Anônimo disse...

Hahahahahaha, que texto engraçado e fisoficamente (em termos de Nietsche) pertinente. Allen realmente sabe fazer rir!
Isabella

Karen disse...

Isabella, divertido, não?