20.1.13

Chuchu assado


Outra receita que vi no blog da Lylia, muito simples e saborosa. Aqui só eu como chuchu, para que o O. coma, tenho que disfarçar, misturar com outros legumes ou deixar irreconhecível. Esta receita é só para mim, já fiz duas vezes! 

Minha forma preferida de comer chuchu é à milanesa, mas dá trabalho, é fritura, enfim, nunca mais comi depois que casei. Mas esse chuchu assado não deixa nada a desejar, fica muito bom! 

Descasquei na primeira vez e achei que ficou melhor, a casca é fina, mas deixa uma leve "resistência" na hora de mastigar, nada que atrapalhe, claro. É só uma observação.


Chuchu assado

1 chuchu grande com casca cortado em pedaços grosseiros (sem a parte branca do miolo)
2 colheres de sopa de azeite
2 colheres de sopa de farinha de rosca de boa qualidade (não industrializado) ou pão ralado
1 pitada de sal
1 colher de café de alecrim seco ou fresco 


Em uma assadeira untada com um fio de azeite (espalhe), coloque os pedaços de chuchu e regue com as duas colheres de azeite, remexendo com uma colher ou com as mãos para todos os pedaços ficarem envolvidos pelo azeite. Salpique a farinha de rosca por cima do chuchu e chacoalhe a assadeira, para envolver minimamente os pedaços. Salpique o sal e o alecrim e leve a forno médio. Após cerca de 15 minutos, vire os pedaços de chuchu (não precisa ser um a um, dê uma revirada com uma espátula), aumente a temperatura do forno para média-alta e deixe mais uns 10 minutos, até ficar bem assado.





14.1.13

Bombocado


A chuva resolveu baixar agora. Fez frio, esquentou, choveu, abafou, continua nublado. Verão realmente atípico, choveu pouco no ano passado, ainda não tivemos nenhum momento aflitivo com as águas do rio, espero que continue assim. 

Fiz bombocados no final de semana, peguei a receita que me pareceu ser a mais simples na internet. Coloquei a mistura em formas de muffins antiaderentes, ela grudou no fundo horrores apesar de ter passado um pouco de óleo, desconfio que o fato de desenformar quente não ajudou, lembrar de untar com óleo E farinha da próxima vez. 

Ficaram bons, nada excepcional, mas gostosinhos. Ligo cada vez menos para doces.



Bombocado

1 pacote (100g) de coco ralado (usei flocado sem açúcar)
1 lata de leite condensado
4 ovos 
1 c sopa rasa de fermento

Bata o leite condensado e os ovos no liquificador, junte o coco ralado e o fermento e misture com uma colher. Coloque a mistura em forminha individuais untadas e enfarinhadas ou em uma forma maior e asse até dourar. 



 

4.1.13

Salada de grãos com molho de iogurte


Foi inspirada em uma receita que vi de relance em uma revista de consultório médico. Ela era mais elaborada, mas não me lembrava de todos os detalhes.

Cozinhei grãos de trigo (previamente deixados de molho na noite anterior) e lentilhas em panelas separadas, pois o tempo de cozimento é diferente. Juntei os dois em uma tigela, adicionei cebolas picadas (gosto de passá-las pela água e escorrer antes de usá-la em saladas), salsinha, manjericão e hortelã picados e temperei com um pouquinho de sal. Misturei tudo e servi com um molho à parte feito com iogurte, suco de limão, azeite, alho picado e sal. Dica: deixe o iogurte escorrer um pouco sobre uma peneira forrada com um pano de prato para que não solte tanto líquido quando for colocado sobre a salada.

Você pode adicionar outros ingredientes como cevada, legumes ou frango grelhados, alface, etc.

Um avião passava na hora em que abri a porta pela manhã. Sempre paro para observar os rastros que eles deixam no céu.


2.1.13

Isto e aquilo

Não assisti à São Silvestre, quando me sentei na frente do micro e fui ver as notícias, descobri que ela ocorreu de manhã. Não que seja algo que me empolgue, mas era uma das coisas que me distraíam nas tardes mortas do dia 31.

Fiz um almoço de bota fora com os restos de um pão de forma integral. Cobri com fatias de zucchini assadas no dia anterior, tomates, sardinhas anchovadas, folhas de manjericão, parmesão ralado, uma pitada de sal e um fio de azeite.


No final da tarde tocaram a campainha e dois outros moradores do condomínio perguntaram se poderiam levar alguns ramos de primavera para enfeitar a mesa da ceia. As primaveras estão gloriosas, mas avisei que havia muitas lagartas. Nunca tinha visto tantas lagartas! Tenho medo até de abrir o portão e levar uma lagarta preta e peluda na cabeça! Não sei se eles conseguiram encontram ramos mais limpos.


Enfim, fiz o beef wellington usando a receita do Gordon Ramsay. Ficou bom, mas ainda não descobri qual a melhor forma de cortá-lo sem que a massa folhada, a carne e o recheio de cogumelos e presunto desmoronem. (O. disse que prefere a versão original gorda feita com patê no lugar dos cogumelos).  


A torta de framboesas amoras e nozes amêndoas da Elise ficou boa, mas achei a massa pesada. Comemos algumas fatias e congelei o resto. 


Aqui não tem ceia, tem jantar, detesto comer depois das 21h. Ficamos assistindo a um dvd com um show da Alison Krauss & Union Station para matar o tempo, mas depois de comer e beber, estávamos com tanto sono que fomos dormir às 23h. Acordamos com os fogos, mas voltamos a dormir logo. Não temos superstições de final de ano, nem mandingas, nem nada.

Ontem foi o dia das sobras.

Hoje fiz erva-doce assada com mel e anchovas. Sei que erva-doce não é algo que desperte grandes emoções, mas até que ficou boa como acompanhamento. Gosto de dar chances a ingredientes ou pratos com os quais não estou acostumada. Comida é uma questão de educação dos sentidos afinal de contas. 


Fácil, um ou dois filés de sardinha anchovada (comprei um vidro enorme), um pouco de mel, alecrim picado e azeite, tudo sobre a erva-doce cortada ao meio, e forno.

Esqueci de mencionar um filme do ano passado que achei uma graça no post anterior, ele foi feito pela neta do Elia Kazan e se chama Ruby Sparks.

Feliz 2013.