2.11.11

Ciudad del Este: aeroporto, táxi e câmbio

O aeroporto Guaraní é minúsculo e fica no meio do nada, parece uma rodoviária do interior. Há uma pequena lanchonete com cara de boteco onde comemos um sanduíche de pão de forma por R$ 3,00 quando nosso voo de volta para Guarulhos foi cancelado e aguardávamos o voo para Assunção de onde pegaríamos um voo de madrugada para Guarulhos. Enquanto chovia, a luz no interior do aeroporto ia e voltava, um verdadeiro pisca-pisca.


Com luz


Sem luz

Há um Banco de Fomento onde imagino que seja possível fazer câmbio, pois é a única agência bancária no aeroporto, fora isso, vi um caixa 24h do BBVA (foto acima, no fundo). Pagamos R$ 60,00 para ir até nosso hotel em Ciudad del Este. Há uma tabela de preços, mas nem a tínhamos notado, tirei a foto na volta. Se quiser ter uma ideia dos preços, clique sobre ela. (Valores de outubro de 2011).



tabela de preços do táxi no aeroporto


Quando estávamos no Paraguai, R$ 1,00 valia cerca de 2200 guaranis. Todos os taxistas aceitavam reais e dólares. Em geral, eles faziam o câmbio ignorando os três últimos zeros (pois o guarani tem muitos zeros) e dividindo o que sobrava por dois (120000 Gs/2 = R$ 60), ou seja, eles dão uma "arredondada" para cima no valor em reais. O táxi do aeroporto tem um valor fixo, mas na cidade os preços e "câmbios" podem variar. Taxímetro é algo desconhecido. O ideal é perguntar qual o valor da corrida em guaranis e depois em reais tendo os valores de câmbio em mente antes de entrar no táxi. O primeiro taxista que encontramos ao sair do hotel para ir à agência de viagens pediu 25000 Gs ou R$ 20,00 para percorrer alguns quarteirões. Pagamos, não tínhamos ideia do valor do guarani e depois o pessoal da agência de viagens disse que pagamos demasiado. Não tínhamos mais como trocar reais àquela hora e teríamos que pagar a corrida de volta novamente em nossa moeda. O. estava fulo da vida, quando saimos do shopping e um dos taxistas ofereceu seus serviços pedindo os mesmos R$ 20,00,  ele disse que iríamos a pé e que não pagaria mais do que R$ 10,00, e não é que o taxista arrumou um outro colega que nos levou pelos tais R$ 10,00? Negociar é tudo em Ciudad del Este. 

No dia seguinte, perguntamos a outro taxista quanto ele cobraria para nos levar ao centro, ele pediu 20000 Gs ou R$ 10,00. O Sr. Pablino acabou sendo nosso taxista oficial, ele sempre foi pontual e foi quem nos levou ao aeroporto debaixo de chuva. No começo, pediu R$ 70,00 para nos levar até lá, explicamos que tínhamos pago R$ 60,00 e ele concordou em baixar o valor, mas explicou, não sei se é algo verdadeiro, que os taxistas do aeroporto não precisavam pagar pedágio e ele sim. De qualquer forma, depois do trajeto debaixo de chuva e com visibilidade baixa, o O. acabou dando R$ 70,00.

Depois de nossas experiências, resolvemos trocar alguns reais por guaranis e passamos a pagar táxis e compras menores, água, etc., com eles, assim perdíamos menos nas "conversões". Costumávamos verificar as cotações no site dos Cambios Chaco que possuem vários endereços em Ciudad del Este (há várias outras agências diferentes). Não usamos o cartão de crédito, nem os habilitamos para uso no exterior, há taxas e achamos um absurdo pagá-las para fazer compras quando o Brasil está ali do outro lado. Compramos dólares para pagar o hotel em uma das agências de câmbio e, como íamos para o parque das Cataratas do lado brasileiro, retiramos os reais de que poderíamos precisar em caixas automáticos lá dentro. Pagamos restaurantes com reais sempre perguntando antes quais as moedas aceitas, a taxa de conversão e em que moeda viria o troco.

Poucas lojas têm preços explícitos. Não vi preços nas vitrines nem mesmo no shopping onde jantamos em Assunção. Trocamos alguns reais por dólares em uma das agência dos Cambios Chaco no aeroporto da cidade, mas o câmbio não foi tão favorável como em Ciudad del Este. Felizmente, compramos pouco e não somos aquele tipo de turista que gasta até o último centavo em balinhas no Duty Free antes de ir embora, pois senão teríamos passado por apuros para pagar o hotel e comer em Assunção depois que o voo em Ciudad del Este foi cancelado devido à chuva.



Outras observações:


Algumas lojas devolvem o troco em um mix de moedas, o que dificulta o cálculo.

As notas de guarani, especialmente as de de 10000 Gs, que circulam em Ciudad são meio nojentonas. Sempre queríamos nos livrar delas o mais rápido possível. rs

Os táxis paraguaios em geral não parecem passar por manutenções frequentes e estão bem caidinhos, de praxe, não tem ar condicionado ou qualquer outro luxo.

Comprar dólares nas agências de câmbio de Ciudad parece ser bem mais vantajoso do que comprar a moeda no Brasil (ao menos para nós foi). Compare as cotações.

Há uma diferença de fuso horário de uma hora entre Ciudad e Foz, atravessando a ponte, você ganha uma hora ao entrar no Paraguai e perde uma hora ao entrar no Brasil. Li que há um período em que a hora é a mesma nos dois lados, mas isso ocorre durante um curto intervalo, quando o Paraguai já está no horário de verão e o Brasil ainda não entrou no seu.

.

5 comentários:

Georgia disse...

Karen estamos viajando contigo.


Abracos

Karen disse...

Georgia, espero não cansar ninguém... rs

Anônimo disse...

Kafka, gostei muito do seu post e queria mais detalhes, principalmente porque praticamente não se acha ninguém que tenha ficado hospedado em CDE. Vou te mandar um mail pedindo mais informações. Muito obrigado!
Fabio

planejandoaviagem disse...

Ola Karen, gostei bastante do seu post. Bem dificil achar relatos de pessoas que se hospedaram em Ciudad del Este, No momento estou procurando uns transfer do Aeroporto Gurarani até a ponte da amizade. Por acaso vc tem o contato deste taxista que comentou? Vc chegou a pegar taxi no aeroporto? São seguros?
Abraços e parabéns pelo blog!

Karen disse...

Planejandoaviagem, eu não tenho mais o contato do taxista, faz muito tempo, mas os taxistas do aeroporto me pareceram confiáveis sim, há balcão e o preço é tabelado, com a vantagem de os carros deles serem bem melhores do que os dos taxistas da cidade.