15.12.11

Mochi de micro-ondas




Mochi (pronuncia-se "moti") é um bolinho de arroz japonês. Segundo a tradição, ele não pode faltar nas comemorações de Ano Novo para trazer boa sorte. (E, por isso mesmo, ele também é responsável por algumas mortes de final de ano no Japão, pois algumas pessoas, especialmente idosos, costumam engasgar com esse bolinho grudento).

Meu pai sempre comprava alguns pacotes de mochi já pronto nas lojas de produtos japoneses. Eles entravam na composição do zouni ou eram grelhados em uma frigideira sem óleo só para dar uma dourada dos lados e comidos com um pouco de shoyu e açúcar pela manhã, no lugar do pãozinho. Na época, não ligava muito, comia mais pela tradição, mas hoje sinto saudades do aroma dos mochis sendo grelhados e do próprio mochigome sendo cozido. Estou ficando velha mesmo.

Também lembro de algumas tentativas de fazer mochi em casa. Como estava fora de questão adquirir o aparato tradicional (kine e usu, aquela grande marreta e o pilão), uma vez meu pai resolveu comprar um moedor manual de café por onde minha mãe tinha que passar o arroz cozido. Foi uma lambança que deu mais ou menos certo, mas a experiência nunca mais foi repetida e voltamos a comprar nosso mochi. (O moedor enferrujou e foi jogado fora).




Este ano, fiquei com vontade de preparar meu próprio mochi, especialmente depois que minha mãe aprendeu a fazê-lo de uma forma menos trabalhosa e sofrida com a minha cunhada (que, por sua vez, aprendeu a receita com sua chefe). Ela me explicou o processo no ano passado, mas acabei não preparando porque eu não comeria muitos e o O. não comeria nada.

O preparo é bem simples, basta bater o mochigome (arroz glutinoso) no liquidificador com um pouco de água e depois levar a mistura para cozinhar no micro-ondas. Achei bem fácil, a parte mais chata é moldar a massa ainda quente. (Também preciso desenvolver uma técnica para moldar bolinhos mais bonitos).


Arroz japonês tradicional à esquerda e o mochigome à direita, mais branquinho. O mochigome é mais "grudento" do que o arroz japonês usado para fazer sushi. (Só agora vi que um grão de mochigome foi parar no outro monte de arroz, é que a garota aqui é muito cegueta!).


Passo a receita com uma série de observações feitas pela mãe minha ao telefone e também algumas conjecturas próprias. Fiz a quantidade abaixo, que é mínima e rende cerca de oito mochis de tamanho tradicional. Achei o resultado muito bom e tenho grandes planos para meus oito exemplares. Vou comer alguns grelhados e penso em congelar outros para fazer zouni no Ano Novo.

Espero que a receita seja útil para vocês. Raramente passo "receitas de festa" nesta época do ano porque, sinceramente, preferiria não ter que me preocupar com a cozinha no Natal e no Ano Novo e costumo me limitar a algo bem simples, mas este ano estou nostálgica e pretendo testar mais alguns pratos japoneses que comia quando morava na casa dos meus pais. Se derem certo, coloco aqui. :)




Mochi de micro-ondas


2 x de mochigome (*)  lavado, deixado de molho em água de um dia para o outro e depois escorrido (cerca de uma xícara e meia de mochigome seco rende mais ou menos essa quantidade depois de ficar de molho)
1 x de água
amido de milho para envolver os bolinhos

(*) arroz próprio para fazer mochi vendido nas lojas de produtos japoneses


Lave e deixe o mochigome de molho de um dia para outro. No dia seguinte, escorra sobre uma peneira e bata no liquidificador muito bem com a água. (A proporção passada pela minha mãe foi de 1 x de água para 2 x de mochigome deixado de molho e escorrido. Essa é uma quantidade boa para bater sem sobrecarregar o aparelho).

Coloque essa mistura em um  recipiente grande que possa ser levado ao micro-ondas, cubra com filme plástico e cozinhe por 12 minutos. (Vi uma receita na qual a mistura era cozida por dois minutos, retirada do micro-ondas, mexida e depois cozida por mais dois minutos, o processo era repetido até que a massa adquirisse uma consistência firme, mas elástica. Fiz de acordo com as instruções passadas pela minha mãe, mas ela costuma dobrar a receita que cozinha no micro-ondas. Tive a impressão de que poderia ter deixado menos tempo para a quantidade que fiz, achei que a massa ficou um pouco mais firme do que o ideal e que uns 7-8 minutos seriam suficientes, preciso fazer mais testes com o tempo de micro-ondas e com a proporção de água e mochigome).

Depois de cozinhar o arroz, retire o recipiente do micro-ondas e remova o filme plástico com cuidado para não se queimar com o vapor. Coloque o recipiente sobre um pano de prato ou uma superfície que não provoque choque térmico e possa quebrar o recipiente quente. Passe uma faca molhada pelas laterais para desgrudar a massa. Misture-a com um shamoji/colher ou espátula molhada para evitar que o arroz grude demais, mexa por alguns minutos, molhando a colher sempre que ficar difícil misturar. (Segundo minha mãe, isso torna o mochi mais grudento, característica desejável nessa iguaria. Também desconfio que seja uma forma de esfriar a massa um pouco antes de trabalhá-la). 

Despeje a mistura em uma assadeira ou superfície coberta com amido de milho, retire porções da massa ainda quente com as mãos envolvidas em amido, molde os bolinhos e passe-os também pelo amido para que não grudem uns nos outros. (Segundo minha mãe, a massa deve estar ainda quente pois ela endurece depois de fria e dificulta o trabalho).


shamoji para mexer o arroz e uma tigela com água
Se desejar, passe os mochis pelo kinako (soja torrada em pó) ou sementes de gergelim ao invés do amido. Você também pode recheá-los com anko (doce de feijão azuki). Enfim, há muitas possibilidades.


arroz depois de ir ao mircro-ondas


22 comentários:

Ameixinha disse...

Não posso deixar de rir por causa da boa sorte e do engasgamento :) Um tanto antagónico ha ha

Karen disse...

Ameixinha, essa é uma daquelas típicas ironias da vida...

Eli disse...

Karen, eu amo, amo e amo mochi e minha familia também e inclui aí o pequeno Enzo, e vou te contar um segredinho (rs) meus pequenos chamam o mochi de??? (rs) PÃO DE QUEIJO DE JAPONES. KKKKKKKKKK
Eu vou confesar que nunquinha me atrevi a fazê-los e sempre compro na liberdade ou numa lojinha de produtos japoneses aqui na minha esquina e amamos então fico imaginando um feito em casa.

Lica

banzai disse...

cegueta! adorei, primeira vez que ouço essa palavra hihihihi.
Ah! mochi, me remete a infância também, meus pais são japoneses né? então se fazia mochi da forma tradicional em casa, e distribuíamos pra vizinhança da colônia japonesa, tão gostoso isso. Aqui, no matsuri deste ano, conseguimos pegar bastante mochi, que o pessoal da organização sobe no yatai e distribui, quanto mais vc pega, mais sorte terá. Só eu comi,rs. Esqueci de colocar no congelador e estragou tudo.
Acho que vou comprar esse ano.
madoka

Midori disse...

Karen,
Vendo os seus mochis, deu uma saudade dos tempos da minha infancia, onde a familia se reunia para o mochizuki. Era sempre a minha avo e o meu pai que ficavam com a dificil tarefa, as outras pessoas faziam o anko, tudo caseiro.
Hoje minha mae tb faz como voce so que ela cozinha a vapor, o mochigome depois de bater no liquidificador.
Uma boa ideia essa sua de cozinhar no micro-ondas.
Muito legal este post, pois faz parte da nossa tradicao que nao podemos esquecer nao e mesmo!
Beijos

Karen disse...

Eli, "pão de queijo japonês", até que faz sentido! rs

Eu também prefiro comprar, mas é meio difícil encontrar por aqui. :(

Madoka, acho que só vi o mochi ser feito da forma tradicional uma vez. Pena! Seus filhos não comem mochi?

Midori, que gostoso! Minha família não era muito próxima da colônia japonesa local, não tínhamos muito disso de fazer coisas juntos, nem mesmo de reunir outros familiares.

Como sua mãe faz para cozinhar a mistura de mochi e água? Ela não é muito líquida?

Georgia disse...

Ai Karen, vou dispensar este prato, rs.

Nao gosto de nada grudento, no máximo o risoto e nada mais.


Gostei das explicacoes. Vc é descendente de japonês? Pergunto, porque ninguém compra algo assim para comer apenas pela curiosidade, rs.

Bjao

Karen disse...

Georgia, acho que o mochi é questão de hábito mesmo! (Com exceção dos filhos da Eliana acima).

Sim, meu pai é japonês e minha mãe é descendente.

Ana disse...

Karen, que bacana aprender a fazer mochi!! Nos comemos uma vez aqui em casa pq Matheus fez um trabalho sobre Japanese New's Year e mochi era uma das tradicoes q aprendemos enquanto pesquisavamos. Como somos os dois curiosos e aventureiros em relacao a comida saimos em busca do mochi. Achamos no Asia market e compramos p/ experimentar. Mas o q compamos tinha o doce de feijao dentro. Matheus adorou e comeu todos, rs!
Eu achei legal pois adoro experimentar coisas diferentes. E achei mais legal ainda seus posts aqui no blog sobre o mochi. Muito bacana mesmo Karen! Vou achar mochi de novo p/ comprar, deu ate vontade de comer outra vez, rs!!
Bjs
Ana

Karen disse...

Ana, acho um barato ter um filho que não é nem um pouco enjoado e que serve de verdadeiro companheiro para as suas aventuras gastronômicas!

Ainda preciso criar coragem para fazer mochis recheados.

Sara * disse...

Nem imaginas há quanto tempo procurava apenas pelo nome desse bolo! Perguntava a amigos e ninguém sabia de que estava eu a falar...
Agora sei o nome e a receita!!! :D

Thank u!!!!!!

xx

Karen disse...

Sara*, que bom que a ajudei! :)

Letrícia disse...

Na casa dos meus avós, preparávamos mochi da forma tradicional, no pilão. Era tão bom...

Foi bom saber que existe essa forma de preparar. quem sabe não testo na semana que vem.

Beijos!

Karen disse...

Letrícia, achei bem prática, especialmente para pouca gente e quantidades pequenas.

Billy disse...

Karen,
no iam tchá (dim sum) chinês adorava comer um bolinho que, pela descrição, parece ser o mochi recheado de doce de feijão e coberto se sementes de sésamo de que falas. Será ousado acreditar que se trata de coisa semelhante? A sensação era de uma pastilha elástica viscosa até chegar à deliciosa surpresa do doce de feijão... Que ficava sempre pegado aos dentes!
Beijinhos.

Karen disse...

Billy, acho que é isso mesmo! :)

Raissa disse...

Karen... Aqui eu encontro no mercado, sempre quis comprar para experimentar mas não sei como comer. Preciso esquentar no fogo? Por alguma coisa junto?

Karen disse...

Oi, Raissa! Há várias formas de comer o mochi, a mais simples consiste em dar uma grelhada nele em uma frigideira sem óleo ou grelha mesmo só para que fique mole por dentro e meio dourado por fora, depois você junta um pouco de shoyu e açúcar já no prato (ou só shoyu ou o que desejar) e come! Ele também entra como ingrediente em uma sopa japonesa chamada zouni servida no ano novo.

Patricia disse...

ola karen! minha filha de 2 anos e meio ama mochi com shoyu e acucar e aqui em SC eh mto dificil de achar o mochi ja pronto entao meu marido encomendou o mochigome pra eu fazer o mochi em casa. Vou usar a sua receita, se der certo, eu te falo! Seu blog eh uma delicia!
bjo grande!
Patricia

Karen disse...

Patricia, espero que goste da receita, ela funciona, só acho que é preciso fazer mais de uma vez para pegar o jeito. Minha mãe faz sempre e os mochis ficam ótimos, quando fiz, achei os meus mais durinhos na hora de moldar. Estou com os dedos cruzados! A colônia japonesa deve ser menor por aí, né?

Obrigada pela visita ao blog!

Beijos,

Karen

Patricia disse...

Oi Karen! Sao meia noite e vinte e dois e eu acabei de fazer os mochis! Acho que minha sogra ficaria orgulhosa de mim! hehehehe!
Minhas impressoes foram as seguintes:
-no meu micro precisou de 5 minutos para chegar no ponto de gosma grudenta desgrudando do fundo do refratario, mas por via das duvidas deixei cozinhar mais um pouco pq senti uns grumos no meio - nao consegui bater direito pq minha filha ODEIA liquidificador!
-na hora de enrolar poderia ter deixado esfriar um pouco mais - de quente para morno/quente, me pareceu mais facil enrolar e menos grudento quando eu estava da metade pra frente da lambança toda!
-precisei de muita, mas muita maizena. Na verdade usei ararutinha, que eh praticamente a mesma coisa, deu o mesmo efeito anti-grude.Foi quase meio saquinho de meio quilo
-Os bolinhos do final ficaram mais bonitinhos do que os primeiros.
-rendeu 13 unidades.

Claro que de primeira a gente sempre comete uns errinhos né, mas na próxima vez vou bater mais tempo o arroz no liquidificador e controlar melhor o tempo de microondas pra nao endurecer tao rapido e ficar grumoso. Ainda sobrou mais de meio quilo de mochigome, vai dar bastante! E, obviamente, não vou fazê-los tão tarde da noite e bem no horário de "Gabriela"! risos!!!
Sábado vamos fritá-los e comê-los com shoyu e açúcar, que é como nós gostamos por aqui!

Obrigada por divulgar a receita!

Patricia

Karen disse...

Patricia, você tem coragem! Nesse horário eu já encerrei meu expediente culinário! rs

Minha mãe diz que depois do microondas, é preciso bater bastante a massa com a colher de pau para que ela fique mais homegênea, mas eu não tenho paciência, a massa é pesada e acho muito cansativo. Talvez isso melhore a "grumosidade".

Aos trancos e barrancos, vamos indo, né?

Abraços!